Bebida e Gourmet

DINHEIRO DE VOLTA, CUPONS E PROMOÇÕES
até 0.25% de volta
2.65% de volta
1.3% de volta
1% de volta
até 0.25% de volta
3% de volta
5% de volta
2% de volta
até 0.25% de volta
3% de volta
até 0.25% de volta
1% de volta

Sobre Bebida e Gourmet

 

Para os amantes de comidas e bebidas especiais, algumas lojas parceiras do Cashola oferecem ótimas opções em vinhos, cervejas, destilados, acessórios e ingredientes para coquetéis, azeites, cafés, molhos e condimentos, chocolates, bolos e bomboniere.

Se o seu negócio não é cozinhar em casa, não tem problema. Temos também opções de compras coletivas em restaurantes de várias cidades do Brasil. Rodízio de fondue, rodízio de carne, rodízio japa, restaurantes árabes, japoneses, brasileiros, italianos, franceses, mexicanos, alemães, argentinos, baianos, chineses, pizzarias e tudo mais que você pode imaginar para fazer um banquete na sua cidade por um preço bem baixinho – com o desconto da compra coletiva mais dinheiro de volta sobre o valor final da sua compra.

VINHOS

Saber escolher um bom vinho é uma arte. Optar pela garrafa mais cara não significa necessariamente que você fez a melhor escolha. Como tudo "bom" é relativo, a melhor escolha vai depender das suas intenções para aquela garrafa. Leve em consideração se você vai guardar a garrafa ou consumi-la nos próximos meses, qual é a ocasião (jantar romântico, festas variadas, jantar de negócios etc), e qual a comida que vai acompanhar.

Para um jantar romântico, prefira vinhos e pratos leves, de fácil digestão. Evite vinhos mais encorpados, como o Malbec argentino, que vai muito bem com carnes vermelhas, mas não com um jantarzinho leve. Clique aqui para ver o nosso post sobre harmonização de vinhos para iniciantes.

jantar romântico com vinho branco

Se você está procurando um vinho bom mais em conta, fique nos chilenos e argentinos. São vinhos de excelente qualidade e que não chegam ao Brasil com preços tão salgados quanto os queridinhos franceses e italianos. Os vinhos europeus custam bem baratinho na Europa, mais baratos inclusive do que cerveja! Porém com a conversão da moeda (euros ou libras) em reais, mais os impostos federais e estaduais para a importação mais as taxas exorbitantes dos importadores, um vinho que custa 3 euros (cerca de 9 reais) chega aqui custando mais de 30 reais - e esses são os piorzinhos.

Armazene o vinho horizontalmente, de preferência em locais escuros e levemente resfriados. Tenha em mente que são poucos os vinhos que envelhecem bem, por isso o tempo de um vinho na prateleira não é muito maior do que 4 anos. Desmistificando: não é verdade que os vinhos com rolha são melhores que os com tampa de rosca. A tampa de rosca é ótima e prática para vinhos jovens e leves, como os brancos e roses, evitando a proliferação de fungos que muitas vezes ocorre com a rolha e de quebra ainda diminui o custo de produção da garrafa. A rolha feita de cortiça permite que a bebida receba uma micro oxigenação que beneficia a evolução do vinho na garrafa, por isso prefira as rolhas em vinhos mais vintage.

Veja alguns parâmetros básicos para fazer um bom pareamento de vinho com prato:

  1. : Combine com vinhos de teor alcoólico, acidez e complexidade mais elevados para não correr o risco de o vinho ficar apagado.
  2. , como Riesling: vão bem com pratos apimentados.
  3. , como Chardonnay: vão bem com comidas cremosas ou aromáticas.
  4. : É o responsável por aquele "amarrado" na boca. Vinhos com bastante tanino vão bem com pratos doces, e podem ser aerados para desenvolverem seu sabor.
  5. : vão bem com vinhos brancos ou rosés mais encorpados.

COMO LER O RÓTULO DO VINHO

  1. É quem produziu o vinho, vinícola, etc. Importante notar que alguns vinhos têm apenas um nome, sem mencionar a vinícola, e isso significa que são apenas marcas registradas sob grandes companhias vinícolas.
  2. Indica onde as uvas foram coletadas para produzir o vinho. Muitos produtores não têm plantações próprias, e compram as uvas de produtores diferentes, o que significa que podem escolher as de melhor qualidade, não ficando a mercê da qualidade de sua própria safra. Um vinho de uma grande região é em geral mais barato, enquanto uma vinícola específica indica que a qualidade é mais controlada.
  3. Indica os tipos de uvas utilizados na produção do vinho. Essa é a sua melhor arma na hora da escolha, pois as variedades e misturas dão o tom do vinho. Muitas vezes o nome da uva não aparece, e sim um nome geral, como Chablis. Aqui um pouco de experiência (e Google, o novo pai dos burros) ajuda: Chablis é uma variedade não amadeirada da uva Chardonnay, que muitas vezes é confundido com um nome de uva.
  4. O ano diz muito sobre a qualidade do vinho. Em geral, vinhos mais jovens são mais leves, mas podem ser muito ácidos, e vinhos mais antigos são mais encorpados. Para vinhos tintos, escolha um com pelo menos 2 anos de maturação. Atenção: ao contrário do que se possa pensar, nem todos os vinhos foram feitos para serem estocados para uma data especial. Muita gente cai nesse mito e acaba abrindo uma garrafa de vinagre depois de 10 anos de espera!
  5. Indica a quantidade de álcool no vinho, que geralmente varia de 11 até 17%. os de melhor qualidade são os por volta de 13,5%. Os vinhos mais alcoólicos são que os que tiveram menos tempo de maturação ou produzidos com uvas jovens, e por isso são mais frutados e menos complexos.

infográfico tipos de vinho

TIPOS DE UVAS TINTAS:

Cabernet Sauvignon: É a uva tinta proveniente do Velho Mundo mais largamente reproduzida nos países do Novo Mundo, como Estados Unidos, Argentina, Chile, Brasil, África do Sul, Austrália e Nova Zelândia. É uma uva original da região de Bordeaux, na França, e gera vinhos encorpados, tânicos (com bastantes taninos) e que podem envelhecer bem. Aromas que lembram frutas escuras, como cerejas, com toques levemente atabacados são suas marcas registradas.

Merlot: Também natural de Bordeaux, disseminou-se bem e muito no Novo Mundo. Gera vinhos macios e encorpados, geralmente devem ser tomados jovens. Possuem bastantes sabores de frutas (dependendo do produtor os sabores variam, mas pode lembrar frutas amarelas ou vermelhas em maior ou menor grau ou mistura). Merlots são utilizadas em várias misturas com outras uvas para produzir vinhos diferenciados.

Carménère: Também originária da região francesa de Bordeaux, essa uva adaptou-se incrivelmente bem em terras chilenas. É a uva emblemática do Chile, até porque foi dizimada por uma praga na França em 1867 e hoje está extinta em sua terra natal. Os melhores carménères chilenos são encorpados, frutados, tânicos e com toques aromáticos de pimenta do reino. São vinhos que se desenvolvem muito quando colocados num decanter meia hora antes de consumidos.

Malbec: Uva tinta do sudoeste da França, faz parte da apelação Cahors. Mas é na Argentina que a Malbec ficou famosa e gera os melhores vinhos do tipo. Toques de especiarias e violeta são lembrados nesses vinhos encorpados e macios ao mesmo tempo.

Syrah: Uva francesa do Vale do Rhône, adaptou-se muito bem a alguns países do Novo Mundo como Austrália e África do Sul. Os do novo mundo são de cor intensa, aromas bastante frutados, ricos em especiarias, com final levemente atabacado, enquanto os da região original são mais austeros.

Pinot Noir: Originária da região francesa da Borgonha, a uva desenvolveu-se muito bem a região da Nova Zelândia e algumas partes dos Estados Unidos. Os vinhos franceses são extremamente elegantes, de cor intensa e sabores que se desenvolvem no seu paladar em deliciosos estágios. Nas novas regiões, os pinot noirs tendem a ser mais leves e menos complexos que na terra natal da uva, mas mesmo assim ainda valem a pena.

TIPOS DE UVAS BRANCAS:

Chardonnay: Originária da Borgonha, na França, é hoje a uva a branca mais difundida pelo globo. Gera vinhos sofisticados, encorpados e macios, com finais amadeirados. Fora de sua terra natal, produzem vinhos potentes, mas nem sempre ao paladar de todos.

Sauvignon Blanc: Originária da região do Loire, na França, também bastante difundida nos países do Novo Mundo, principalmente na África do Sul e Nova Zelândia. Gera vinhos balanceados, com boa acidez e toques herbáceos. Dos brancos, os vinhos produzidos com a sauvignon blanc são os que agradam a maioria dos paladares.

Riesling: Uva de origem alemã, produz vinhos equilibrados, de ótima acidez, com toques florais, cítricos e minerais. Fique com os vinhos produzidos com as uvas alemãs ou francesas, da região da Alsácia, pois as tentativas do Novo Mundo ainda não alcançaram a qualidade original.

Chenin Blanc: Uva francesa do vale do Loire, gera vinhos sob várias apelações, como Savennières e Quarts de Chaume. Podem ser extremamente secos ou intensamente doces, dependendo da apelação ou estilo. São vinhos de boa acidez e aromas exóticos também encontradas no Novo Mundo. Na África do Sul, por exemplo, são misturadas com Sauvignon Blanc para produzir vinhos leves, frutados e de ótimo acabamento.

Pinot Gris: Uva rosada vinificada em branco, produz os famosos Pinot Grigios italianos e outras apelações alsacianas e norte-americanas. Gera vinhos de leves e de aromas exóticos.

AZEITE DE OLIVA

Azeites são importantíssimos na hora de fazer o molho da sua salada, ou simplesmente combinar com um crocante pão italiano para fazer um maravilhoso aperitivo.

Azeites de oliva não são indicados para todo tipo de cozimento, pois ele tem baixa temperatura de fervura. Quando levado a altas temperaturas, o azeite pode queimar e oxidar, tornando-se rançoso e formando gordura trans e radicais livres.  Opte por óleo de soja para cozinhar e grelhar, e óleo de algodão, milho ou de côco para fritar.

O azeite de oliva deve ser utilizado em baixas temperaturas, e pode ser armazenado com ervas, alho, pimentas, trufas e outros elementos para tornar-se ainda mais especial.

 como escolher azeite

Algumas coisas a se levar em consideração na hora de escolher o seu azeite:

EMBALAGEM: Nem sempre as mais bonitas têm os melhores produtos. Procure as garrafas de vidro escuras, que protegem o azeite dos efeitos danosos da luz e do calor.

VALIDADE: O sabor e aroma do azeite é melhor aproveitado quando o produto é novo, ou seja, quando é consumido pouco depois da fabricação, mesmo que a data de validade varie de um a três anos.

ENVASE: Em geral, azeites envasados pelo próprio produtor costumam ser de melhor qualidade que os simplesmente engarrafados por comerciantes. Cheque o rótulo para obter essa informação.

ACIDEZ: Está relacionada ao teor de ácidos graxos livres e não com a percepção sensorial do produto. Ou seja, é crucial para a classificação do azeite, mas não para seu sabor, aroma e intensidade. Produtos com até 0,8% de acidez são classificados como extra-virgens, mas a prova final de sua qualidade só é percebida na degustação. É possível encontrar azeites de baixa acidez (como 0,2%) com pouco aroma e sabor assim como azeites com acidez mais elevada com sabores e aromas mais marcantes.

COR: Pode variar de intensidade entre verde intenso e amarelo ouro e normalmente está associada ao estágio de maturidade da azeitona. A cor não está necessariamente associada com as propriedades gustativas do azeite.

PAÍS DE ORIGEM: Espanha, Portugal, Grécia e Itália são conhecidos por seus ótimos azeites. Procure na embalagem a sigla D.O.P. (Denominação de Origem Protegida) para produtos de procedência segura.

DEGUSTAÇÃO: A melhor forma de descobrir sua preferência é experimentando azeites lado a lado. Coloque cada azeite num copinho de dose, só um golinho, e tampe com a mão para aquecê-lo antes de cheirar. Repita o processo antes de experimentá-lo. Distribua o azeite em toda a boca e língua, para aguçar cada parte dela: amargo, suave, doce. Perceba também sua fluidez e viscosidade e o gosto final que o produto deixa na sua boca. Quando engolir, sinta na garganta se o efeito é picante ou não e qual é a sua preferência.

TRUQUE: Faça o seu azeite ficar verdinho verdinho! Coloque folhas de manjericão, salsinha e espinafre (ou apenas uma delas) na água fervente por cerca de 45 segundos. Escorra e imediatamente coloque as folhas em água gelada (isso faz com que a cor verdinha se estabilize). Aperte com uma toalha até tirar o excesso de água, corte-os e misture com o azeite no liquidificador ou processador por alguns minutos. Coloque na geladeira e no dia seguinte passe a mistura numa peneira bem fininha. Fica verde brilhante e ótimo com pães ou na sopa de tomate.

 

COQUETÉIS

Para quem curte tomar coquetéis quando sai mais nunca tentou fazer em casa, vai uma boa notícia: as melhores misturas são aquelas que você descobre sozinho! Vá misturando sucos e destilados aos pouquinhos e experimentando, ou, se você é bem criativo, faça as misturas na sua cabeça.

Aguardentes, Cachaças, Aperitivos, Tequilas, Conhaques, Licores, Rum, Vermouth, Vodka, Whisky e outros destilados você encontra com descontos aqui nos parceiros do Cashola. Para misturar tem energéticos, que vão bem com vodka ou whisky. Suco de maracujá vai bem com tudo, suco de abacaxi cai como um luva em runs, suco de maçã vai bem com gin e suco de laranja com champagne faz uma Mimosa. Difícil encontrar uma mistura que caia bem com sucos de uva de caixinha, mas se você macerar uvas frescas e misturar com vodka e açúcar, nasce uma refrescante caipiroska de uva.

Aqui você também encontra suco de cranberry, ingrediente vital para o Cosmopolitan, famoso por ser o drink preferido de Carrie, a personagem de Sarah Jessica Parker na série Sex and the City. Invista na sua coqueteleira e copos de martini e divirta-se com essas receitas simples de alguns dos mais clássicos coquetéis.

Para não perder a postura, antes de se aventurar no mundo dos coquetéis, assista ao filme Cocktail, com Tom Cruise. Viu só? Cada bartender tem que ter o seu estilo próprio e mostrar facilidade na hora de fazer o coquetel. Então vá treinando: as pedras de gelo vão no copo de metal, e os ingredientes líquidos no copo de vidro. Junte os dois, chacoalhe sem perder o charme, e abra com uma batidinha na base da mão. Vai treinando!

 

receita margaritaCOSMOPOLITAN

1 parte suco de limão fresco (siciliano, de preferência)

1 parte Triple Sec (licor de laranja)

2 partes suco de cranberry

3 partes vodka

Para fazer mais um charme, você pegar uma lasquinha da casca de uma laranja, torcê-la para liberar os óleos e colocá-la sobre o drink pronto, no copo de martini, claro.

 

MARGARITAreceita margarita

1 parte de suco de limão

1 parte de Cointreau (licor de laranja, como o Triple Sec mencionado acima)

2 partes de Tequila prata

Coloque sal num pratinho, passe limão na borda do copo de martini e passe o copo no sal levemente para fazer aquela borda de sal. Faça apenas meia borda para ficar mais estiloso. Misture todos os ingredientes na coqueteleira com gelo e sirva. Para fazer frozen, bata no liquidificador com gelo, mas não muito para ela não ficar aguada rapidamente.

 

receita whisky sourWHISKY SOUR

2 partes de limão siciliano (adoce a gosto e prove antes de misturar o drink. Não deve estar muito doce nem muito azedo)

3 partes de Jack Daniels

Cerejas para decorar

Coloque açúcar num pratinho, passe limão na borda do copo e passe o copo no açúcar. Chacoalhe na coqueteleira o whisky com gelo e a mistura de limão siciliano com açúcar. Sirva com cerejas. Ah, se não gostar de whisky, substitua-o por Amaretto, fica uma delícia!

 

 

 

 

CERVEJAS

As cervejas especiais são aquelas produzidas com alguma diferenciação as cervejas comerciais populares. Aqui nos referimos a cervejas especiais como cervejas artesanais e importadas de diferentes estilos.

A cerveja é produzida através da fermentação de grãos com amido, principalmente cereais maltados como a cevada e o trigo. A partir dessa premissa básica, cada cerveja especial é produzida com uma combinação, processo ou tempo diferenciados. Algumas levam lúpulo, fermento, frutas, ervas e outros.

 

Veja abaixo os diferentes tipos de cerveja e clique aqui para ver nosso post sobre onde encontrar algumas dessas cervejas importadas

 

LAGERS

São as cervejas mais consumidas no mundo por serem de fácil consumo, e são responsáveis por mais de 99% das vendas de cerveja no Brasil. Tem graduação alcoólica entre 3,5 e 5%. Os subtipos de lager são:

- PALE LAGERS: São as lagers claras, como Pilsner, American Lager, Premium e Lites. Caracterizada pelo lúpulo no aroma e sabor. Budweiser, Stella Artois, Brahma Extra e Skol são alguns exemplos.

- DARK LAGERS: São as lagers mais escuras, e também bastante comuns. Dunkels são as cervejas escuro-avermelhadas. Munchner, Schwarzbier e Malzbier são alguns exemplos dessa categoria, embora sejam bem diferentes entre si, sendo algumas menos maltadas e outras mais doces.

- BOCK: Avermelhadas ou amarronzadas, seu sabor é resultado de uma rica mistura de maltes. A graduação alcoólica pode vai de 6% a 14% nas bocks, como a Kaiser Bock e a Paulaner Salvator.

 

ALES

Foram as primeiras cervejas produzidas até o século 19, quando foi inventada a baixa fermentação presente na Lager. As Ales são fermentadas em temperaturas mais altas, formando cervejas mais complexas e encorpadas.

- PALE ALES: São as mais claras das ales. Alguns exemplos do tipo são as English Bitters, Belgian Pale Ales e Blond Ales. Elas não são bebidas estupidamente geladas, como as nossas brasileiras.

- RED ALE: É avermelhada pelo malte ser ligeiramente tostado. New Castle Brown Ale e Kilkenny Irish Beer são alguns exemplos.

- STRONG ALES BELGAS: Seu teor alcoólico vai de 6 a 12%, mas cada tipo sob essa denominação genérica tem características distintas:

DUBBEL: Possui duas vezes a quantidade de malte do que é comum. São encorpadas e de alta carbonatação.

TRIPEL: Possui três vezes mais malte do que o comum. São douradas, com espuma densa e volume alcoólico de até 12%. Aroma e sabor complexos, e em muitos casos frutados e levemente adocicados.

ABT/QUADRUPEL: Possui quatro vezes a quantidade normal de malte, com gradação alcoólica começando nos 10%. Fortes e super ricas, como a La Trappe Quadrupel.

GOLDEN STRONG ALE: São as loiras mais encorpadas, com teor alcoólico de até 10,5% e sabor frutado. Duvel e Delirium Tremens são alguns exemplos famosos.

DARK STRONG ALE: São as Belgian Ales escuras e fortes, como Chimay Bleu, Rochefort 8 e Gulden Draak.

- WEISSBIER: São as cervejas de trigo. Existem alguns tipos:

Hefeweizen: amarelada opaca, pois a levedura não é filtrada. Erdinger Hefeweizen é a mais conhecida aqui.

Kristallweizen: transparente, clara e leve, sem adição de levedura diretamente na garrafa.

Dunkelweizen ou Hefeweissbier dunkel: Escura, de sabor forte, como a Erdinger Weissbier Dunkel.

Witbier: é a branca belga, esbranquiçada devido às leveduras e ao trigo suspenso. Possui um toque cítrico, pois a casca de laranja é adicionada a mistura, assim como sementes de coentro. A marca mais representativa é a Hoegaarden. Beba com uma fatia de limão siciliano.

STOUT: São as mais escuras e opacas, caracterizadas pelo sabor do malte torrado, quase que como chocolate amargo ou café. A mais famosa das stouts é a irlandesa Guinness.

LAMBICS

Naturais de Bruxelas, as lambics são feitas de trigo sem leveduras adicionadas. Dessa forma, a fermentação é espontânea, ficando a cardo dos agentes naturais encontrados apenas naquela região. Após esse processo, a cerveja permanece de um a três anos envelhecendo em barris de carvalho.

FRUTADAS: Após o início do processo de fermentação, frutas inteiras são adicionadas para formar o sabor. Pêssegos, cerejas, bananas, côco etc. As Kries são famosas por terem um bom equilíbrio entre o doce e ácido das cerejas pretas da região.

GUEUZE: É uma mistura de lambics com diferentes tempos de maturação, engarrafadas para uma segunda fermentação. isso faz com que sejam semelhantes a champagnes, como a Lindemans Gueuze Cuvée René.

E MAIS

E tudo o que você precisa para um jantarzinho especial a la francesa ou mexicana, dependendo de qual lado do oceano o seu humor está: Tabasco vermelho e verde, molho de pimenta habanero, castanhas, azeitonas, mostarda dijon, mostarda wholegrain, molho barbecue e chipotle, tortilhas, maionese, spicy mayonnaise, vinagre aceto balsâmico, sopas Campbell's, cogumelos, jalapeños, molhos picantes, tacos, alcaparras, antipasto de beringela, spaghetti di semola, vinagre de vinho zinfandel, vinagre de pinot noir, vinagre de cabernet, vinagre de xerez, vinagre de champanhe com romã ou cassis, molho chutney, molho de tomate, molho de queijo alfredo.

Para o café da manhã ou da tarde você encontra achocolatados, cafés, chás, chocolates importados, bombons, frutas secas, panetones, bolos, colombas, bomboniere, biscoitos, barras de cereais, doce de leite Havanna, geleias importadas, chás energizantes, bebidas fortificantes, enérgeticos.